Cuide da visão do seu filho

Durante a gravidez

Tenha uma alimentação rica em ácido fólico, que está presente em grãos como feijão e lentilha, e vitaminas do complexo B, que podem ser encontradas no espinafre e em cereais. Esse tipo de alimentação é essencial para a formação do sistema nervoso do bebê, do qual os olhos fazem parte. O pré-natal também é fundamental, pois no exame podem ser detectadas doenças graves como catarata

Cuidados com o recém-nascido

Quando nasce, o bebê recebe um colírio de nitrato de prata, com o objetivo de eliminar qualquer agente infeccioso que possa ter ficado do canal do parto. No Brasil, a aplicação é obrigatória por lei e deve ser feita em todas as maternidades após o parto cesárea ou normal. Outra forma de prevenção é o teste do olhinho, realizado assim que o bebê nasce. E, caso o bebê seja prematuro, sua visão merece ainda mais atenção. A retina, responsável por receber a luz, transformá-la em impulso nervoso e transmiti-la ao cérebro, só se forma completamente por volta de 38 semanas de gestação.

Fique atento aos sinais

Mesmo enxergando tudo embaçado quando nasce, o bebê deve responder a alguns estímulos visuais, como fechar o olho quando é exposto a uma luz intensa. A partir dos dois meses, o bebê já se interessa por luz e já fixa o olhar no rosto dos adultos. Se isso não estiver acontecendo, é hora dos pais suspeitarem de algo. Observe também se ele apresenta movimento de tremor constante nos olhos, chamado de nistagmo, ou desalinhamento, conhecido como estrabismo. Essas alterações são sinais de alerta. Fique de olho também nas fotografias. Se você perceber que um dos olhos do bebê sair vermelho e o outro branco, em uma foto com flash, leve-o ao oftalmologista, pois isso pode ser sinal de catarata ou problemas mais raros.

Olhos protegidos

Os óculos escuros dão um charme todo especial mas, muito além da beleza, eles são importantes para proteger os olhos do sol. Assim como os adultos, as crianças também estão expostas à radiação ultravioleta. Essa exposição pode envelhecer de forma precoce as estruturas oculares, como córnea, cristalino e retina, levando à perda da qualidade da visão. Os óculos podem ser usados a partir dos três anos e devem conter a proteção contra raios UVA e UVB

Fonte: Revista Crescer



Postado em 21/10/2016 às 16:16:15

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

A delicada fase do puerpério

O pós-parto, conhecido como puerpério, pode ser uma fase muito delicada para a mulher, principalmente porque seus hormônios estão oscilando o tempo todo. "O puerpério compreende o período de 6 a 8 semanas pós-parto, nas quais a mulher se recupera, se adapta psicologicamente à nova rotina, começa a amamentar e estabelece a relação mãe-filho", explicou a ginecologista, Paula Fettback.

O puerpério possui três subfases: imediato, tardio e remoto. O imediato corresponde ao período entre o 1º e 10º dia após o parto. Nessa fase, o corpo se esforçará para fazer o organismo voltar a funcionar de forma normal. O tardio vai do 11º ao 25º dia, quando acontece a recuperação dos órgãos e genitálias da mãe. E do 25º ao 40º dia acontece o puerpério remoto, quando a mulher volta a ter sua função reprodutiva.

Além da parte física, o lado emocional da mulher também fica bastante sensível, pois ela precisa lidar com a insegurança de ter que cuidar do bebê recém-nascido e das mudanças que essa nova fase trará pra sua vida. Por isso, é importante que nessa fase do pós-parto a mulher tenha o apoio do obstetra, pediatra e, principalmente, da família.

Fonte: Vila Mulher




Postado em 07/10/2016 às 16:06:33

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

Papinha saudável

As papinhas entram na alimentação do bebê após o sexto mês. Frutas, legumes, verduras... tudo faz parte do novo cardápio. O problema está na hora do preparo, pois geralmente as mães batem tudo no liquidificador ou passam os alimentos na peneira. Para que o bebê sinta a textura dos alimentos e se acostume com eles, o ideal é que sejam apenas amassados. Segundo a nutricionista Marisa Resende Coutinho, é comum que o bebê cuspa a papinha ou as frutas ou faça cara feia nas primeiras vezes que comer esses alimentos. Por isso, a dica é começar com uma pequena quantidade e ir aumentando aos poucos, conforme a aceitação do pequeno.

Esconder as verduras também é outra maneira que as mamães encontram de fazer os pequenos se alimentarem de forma mais saudável e o hábito não é assim tão ruim. O problema é que, dessa forma, pode ser que seu filho aceite um certo tipo de vegetal apenas em um omelete, por exemplo, mas não preparado de outra maneira. Isso acaba fazendo com que a criança não crie o gosto pelo alimento. A dica é diversificar a forma como você apresenta os alimentos e, principalmente, sempre contar a verdade depois que a criança experimentar a comida.

Fonte: Revista Crescer



Postado em 30/09/2016 às 09:21:52

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

Jack - O Urso Polar Atleta

A dupla Lui Lima e Rômulo Caballero, da FCB Brasil, desenvolveram um aplicativo com um ursinho que requer cuidados para se manter saudável. "Jack - O Urso Polar Atleta" é uma versão fitness do "bichinho virtual", famoso na década de 1990, já que o aplicativo requer que seu dono se exercite para manter o personagem saudável.

Direcionado para crianças e adolescentes, o app visa incentivá-los a terem uma vida mais ativa, já que os usuários terão que fazer exercícios que serão rastreados pelo GPS do celular. Por exemplo, quando Jack quiser dar uma caminhada, o dono terá que andar também (com a ajuda do GPS, o app será capaz de dizer se o usuário está andando de verdade)

O projeto está no Kickstarter, maior site de financiamento coletivo do mundo, que busca apoiar projetos inovadores. Lá, é possível colaborar e contribuir para o seu lançamento.



Postado em 09/09/2016 às 09:28:57

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

Lanches mais saudáveis

Na correria do dia a dia, as vezes a dúvida do que colocar na lancheira do seu filho vem à cabeça. Por serem mais práticos, os alimentos industrializados geralmente são os escolhidos, mesmo não sendo nada saudáveis e contendo açúcares, conservantes e corantes. Que tal então preparar um lanchinho atraente, para o seu pequeno aproveitar o dia com muita energia e cheio de saúde?

Segundo a endocrinologista Giulianna Pansera, um lanche saudável contém três grupos de alimentos: os construtores (queijos, iogurtes, atum, leite, frango), os reguladores (frutas, legumes, verduras) e os energéticos (biscoitos, pães e bolos). Já na hora de preparar o suco, é comum que as mães evitem os naturais, por ficarem com um gosto desagradável depois de algumas horas, porém os sucos de caixinha contém uma grande quantidade de sódio e corantes. Uma opção é fazer sucos de frutas que oxidam mais devagar, como abacaxi, maracujá e goiaba.

Outra alternativa para tornar o lanche mais saudável é fazê-lo em casa. Na hora do preparo de pães e biscoitos, por exemplo, use menos farinha branca e em seu lugar coloque farinha integral, biomassa de banana verde ou aveia. Troque também os embutidos, mesmo os “lights”, por patês feitos em casa. Na geladeira, eles duram por até cinco dias e você pode variar nos sabores, fazendo lanches sempre diferentes e cheios de sabor.

Fonte: R7



Postado em 01/07/2016 às 08:11:35

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

Anemia nas Crianças

Se seu filho está pálido, apático, cansado e não tem ânimo nem para brincar, preste atenção, pois pode ser um sinal de que ele está com anemia. Esta doença afeta negativamente a produção de hemoglobina, que faz com que o sangue transporte oxigênio para todas as partes do nosso corpo.

Ela é causada principalmente pela má alimentação e, consequentemente, pela deficiência de nutrientes como ferro, vitamina B12 e ácido fólico. Além dessas substâncias, é importante que as crianças tenham toda a gama disponível de vitaminas e nutrientes na hora da alimentação. O ideal é comer de tudo um pouco. Uma criança com a alimentação balanceada dificilmente vai ter anemia.

Quando há suspeita de anemia, é necessário levar a criança ao médico, fazer acompanhamento nutricional e uma investigação completa. Em alguns quadros, o tratamento pode incluir a reposição dos nutrientes através de medicamentos, além da mudança alimentar, sempre acompanhados por um profissional.

Para ajudar a incluir alimentos de diferentes grupos alimentares no cardápio das crianças, separamos três receitas super nutritivas:

Caldinho de lentilha com macarrão e legumes
Ingredientes:
- 500 g de macarrão
- 600 g de lentilha
- 400 g de batata cortada em cubinhos
- 300 g de cenoura cortada em cubinhos
- 300 g de abobrinha cortada em cubinhos
- 150 g de cebola picada
- 3 dentes de alho
- 50 g salsa
- Sal a gosto
- 10 ml de óleo
-  4l de água

Modo de Preparo
Se necessário, escolha as lentilhas e lave separadamente. Depois de descascar e lavar os legumes, corte-os em cubos pequenos. Em uma panela, coloque o óleo e refogue a cebola com o alho, depois cozinhe a lentilha com os legumes até que todos os ingredientes estejam bem cozidos. Por último, acrescente o macarrão.


Sopinha de Abóbora com gengibre
Ingredientes:
- 500 g de abóbora  
- 40 g de gengibre
- 300 ml de leite
- 50 g de cebola
- 3 dentes de Alho
- 20 g de salsinha
- Sal a gosto
- 10 ml de óleo
- 3L de água

Modo de Preparo:
Lave e descasque a abóbora, retirando toda semente, depois descasque o gengibre e rale. Junte esses dois ingredientes com o sal e cozinhe até que a abóbora fique bem macia. Quando estiver macia bata a abóbora cozida com gengibre no liquidificador e depois volte o creme para a panela. Em uma frigideira refogue o alho, a cebola e o óleo e, em seguida, acrescente na panela o creme de abóbora. Junte também a salsa e o leite deixando ferver. Mexa até o creme encorpar.


Sopa de Cenoura com couve manteiga
Ingredientes:
- 1 kg de cenoura
- 150 g de couve manteiga
- 50 g de cebola
- 3 dentes de alho
- Sal a gosto
- 10 ml de óleo
- 4L de água

Modo de Preparo:
Lave e descasque a cenoura, depois lave a couve manteiga e corte em tirinhas. Cozinhe a cenoura com sal até que esteja macia. Depois, bata no liquidificador. Volte para a panela o creme e reserve. Em uma frigideira refogue o alho, a cebola e o óleo e acrescente o refogado na panela com o creme de cenoura. Depois junte a couve manteiga, a água e deixe ferver. Lembre-se de mexer até engrossar.

Fonte: Pais e Filhos


Postado em 21/08/2015 às 08:05:47

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

10 dicas para um soninho tranquilo

Acordar cedo é chato, a gente sabe disso muito bem, mas, com as dicas certas e uma boa dose de paciência, dá para colocar em ordem o sono dos pequenos. 

1. Controle as sonecas 
Cada criança tem seu ritmo, mas em uma coisa elas são todas iguais: gostam de aproveitar o dia ao máximo! E, se deixar, ficam atá tarde da noite brincando. Mas não adianta, tem que ter rotina e atá mesmo o cochilo da tarde deve ser moderado. 30 minutos a uma hora de descanso, já são suficientes. 

2. Estabeleça uma rotina 
Eu não tô com vontade de dormir, mamãe? ou só mais 10 minutinhos, por favooor?. Outra coisa que é unanimidade: elas adoram brincar e aprontar antes de ir para a cama. Mas é preciso ter pulso firme e uma super organização. A rotina é o que dá ritmo ao nosso relógio biológico. Quando estipulamos um horário certo para repousar, fornecemos um andamento ao organismo. 

3. Alimentação certa 
Alimentos com muito açúcar podem deixar a criança agitada ou aumentar muito o pico de glicose, impedindo o sono. O ideal é oferecer comidas leves e de fácil digestão na hora do jantar. Ingredientes ditos como calmantes ou pouco calóricos podem ser grandes aliados. 

4. Não quebre as regras 
Não adianta travar uma guerra com os filhos durante a semana se aos sábados e domingos eles ignoram totalmente a rotina estipulada. Nosso relógio biológico funciona em um ciclo, quando o quebramos nosso corpo tem que fazer um esforço enorme para se adaptar novamente. 

5. Dar o exemplo sempre funciona! 
Os adultos também precisam estabelecer horários para dormir. Para facilitar as coisas, os pais podem dar o exemplo e participar da rotina dos filhos. Não custa nada, né? 

6. Desacelere 
Quando nos aproximamos do horário de dormir, precisamos mandar para o organismo todas as mensagens necessárias de que o corpo vai sair do estado de vigí­lia e entrar no estado de sono. 

7. Tecnologia não tem vez à  noite 
Não tem problema nenhum em usar a tecnologia como forma de diversão, mas tudo tem a sua hora. Esses aparelhos são estimulantes, informam ao cérebro que a glândula pineal deve diminuir a produção do hormônio responsável pelo sono. O oposto do que precisamos. 

8. Tudo fica muito divertido 
Para tornar essa hora mais prazerosa e divertida, os pais podem incluir objetos lúdicos e também levá-los para comprar itens relacionados a esse momento. Vale tudo: pijamas divertidos, pantufas (no inverno) ou roupas de cama inspiradas em heróis. Ou então fazer atividades conjuntas que lidem com o imaginário das crianças, como jogo de sombras, histórias de ninar, músicas relaxantes. 

9. Luz ideal 
De nada adiantarão as dicas anteriores se o ambiente não for acolhedor e relaxante. Na hora de dormir, deixe uma luz azulada bem fraca, como a luz do luar. Isso pode servir de apoio, caso a criança precise ir ao banheiro ou se localizar durante a noite. 

10. Sem gritaria 
E, finalmente: não adianta gritar ou discutir com os filhos para que eles durmam mais cedo. Esse tipo de situação só dificulta e cria uma atmosfera nada saudável para o desenvolvimento emocional das crianças. O melhor a fazer é respirar fundo, colocar todas as dicas em prática e entrar na rotina. 

Boa sorte! 
E boa noite.


Postado em 31/07/2015 às 08:28:28

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

Como criar gosto por legumes e verduras?

Seu filho fica todo contente quando você enche o pratinho dele com verduras e legumes? Difícil, né! Esses alimentos raramente figuram entre os favoritos das crianças. Para reverter esse cenário, um novo estudo sugere que é crucial dar legumes e verduras assim que a criança começar a comer.

De acordo com uma pesquisa, publicada na Inglaterra, oferecer esse tipo de comida para crianças nas duas primeiras semanas em que ela começa a comer é fundamental para que ela goste desses alimentos no futuro. Evidências sugerem que introduzir legumes e verduras no começo da vida dos bebês pode ter implicações importantes na sua saúde futura.

É possível começar a gostar desses ingredientes simplesmente por experimentá-los várias vezes. Crianças mais velhas (ou adultos) podem demorar até 14 vezes (ou mais!) antes de passarem a gostar de algo, mas bebês e crianças pequenas são bem mais abertas a aceitarem novos sabores.

É por isso que essa fase inicial é tão importante! Mesmo que os pequeninos não aceitem da primeira vez, oferecer vegetais a bebês (de novo e de novo e de novo!) logo que eles começam a comer pode aumentar consideravelmente a aceitação desses alimentos tão valiosos.

Insistir um pouquinho vai ser bom pra todo mundo, principalmente para a saúde do seu filho.  :)

Postado em 03/07/2015 às 08:00:45

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

Bruxismo na Infância

Bruxismo é o hábito de ranger ou apertar os dentes durante o sono e é muito comum em crianças que estão sofrendo algum tipo de problema emocional ou estresse. Estudos mostram que 30% dos pequenos entre 3 a 6 anos de idade apresentam o sintoma e usam o ranger dos dentes como uma válvula de escape.

Por que acontece?
Segundo especialistas, o bruxismo é uma maneira de extravasar os nervos. Normalmente as suas causas são de caráter emocional e psicológico, relacionadas ao alto nível de estresse, ou a algum problema que a criança esteja enfrentando, como mudança de escola, época de provas, a chegada de um irmão, divórcio dos pais, cobrança excessiva, hiperatividade e distúrbios neurológicos como autismo. Mas o bruxismo também pode ser associado a fatores oclusais (quando interferências dentais impedem o bom encaixe da mordida), fatores hereditários e hábitos alimentares inadequados, já que crianças que não usam a sua função mastigatória podem procurar suprir esta necessidade através do ranger dos dentes.

E por que os pequenos exteriorizam o nervosismo rangendo os dentes?
Durante os primeiros anos, a boca é o portal para a vida. É pela sucção, enquanto são amamentadas, que as crianças resolvem suas necessidades físicas e emocionais. Por isso, quando o menino ou a menina se sentem incomodados ou frustrados, a mente às vezes entende que estimular fricções dentárias na calada da noite seria um jeito de recuperar a serenidade.

O que fazer?
A atenção dos pais é essencial para o diagnóstico correto. O primeiro passo do tratamento é o uso da placa de mordida (desenvolvida pelo dentista), para evitar o desgaste dos dentes. Depois é preciso entender a causa do hábito, adotar técnicas de relaxamento e eliminar os fatores de estresse e cobrança. Vale procurar um psicólogo nessa hora. Pratica de esportes e exercícios também são uma boa forma de tratamento.

Dicas para os pais:
- Estimule o habito de comer alimentos fibrosos e em pedaços desde sempre, para que os pequenos possam desenvolver uma mastigação vigorosa e eficiente;
- Cuidado com a chupeta e a mamadeira. Eles alteram a mordida da criança podendo criar interferências dentais e alterações musculares e ósseas;
- Procure propiciar um ambiente tranquilo antes do sono;
- Não deixe a rotina de atividades de seu filho tão cheia;
- E lembre-se sempre: crianças precisam de tempo para brincar!

Postado em 19/06/2015 às 08:04:02

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

Como tornar as vacinas menos dolorosas?

O friozinho está chegando! E como já é de se esperar, junto com ele vêm todas as campanhas de vacinação, importantíssimas para a saúde dos nossos pequenos. Antes de imaginar toda aquela cena desconfortável, saiba que existem alguns pequenos truques para deixar as crianças mais confortáveis e tranquilas na hora da vacina. :)

1. Deixe o ambiente médico mais simpático.
Mesmo sem perceber, os pais transformam os médicos em verdadeiros “bichos papões”. O ideal é que, em casa, esse assunto seja tratados de uma maneira natural, sem qualquer carga negativa.  Uma boa ideia é levar, sempre que possível, as crianças para as consultas dos adultos. Pais descontraídos são sinônimo de filhos descontraídos.

2. Antecipe, mas não torture.
É saudável que as crianças percebam que a vacinação é importante e que faz parte das suas vidas. Por isso, convém que os pais avisem os seus filhos sobre a aproximação dessa data. Mas não fique falando disso sem parar, ou você acabará criando, sem querer, uma ansiedade negativa.

3. Conte a sua história (ou adapte-a, se necessário).
Fale da sua própria história. Conte aos pequenos que, quando era criança, você também ficava nervoso antes das vacinas, mas depois percebeu que não era algo tão doloroso e complicado quanto parecia. Este é um daqueles raros casos em que não é feio mentir para as crianças!

4. Garanta um dia “zen” na véspera.
No dia anterior à vacinação, convém que a criança seja informada sobre o que vai acontecer no dia seguinte. É importante que a criança passe um dia calmo, para que no dia seguinte ela acorde o mais tranquila possível. Procure fazer atividades mais caseiras e relaxantes, com o máximo de carinho e apoio necessário.

5. Prepare um lanche calmante.
Por mais tranquila que a criança seja, a aproximação da hora da vacina vai causar uma inquietação natural. Aproveite para organizar um lanche com alimentos que estimulem a tranquilidade, como chá de camomila, laranja e frutas vermelhas… e porque não as suas bolachas preferidas?!

6. Não desvalorize o entendimento dos mais novos.
Mesmo que se trate de uma criança, converse com ela e explique o que se vai acontecer no momento da vacinação: desde a chegada ao posto médico, a espera e a vacina. Não esqueça de reforçar que vai ser simples e que a criança não sentirá mais do que uma pequena picada. 

7. Leve o “melhor amigo”.
O seu filho tem um brinquedo inseparável ou um livro preferido? Se sim, leve-o junto para esperar pelo momento da vacina. O objetivo é apenas um: entreter a criança com algo de que ela goste, que a faça se sentir segura e confortável.

Fonte: Pequenada



Postado em 07/05/2015 às 14:30:42

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar
 1  2 




Kiko e Kika       |       © Copyright 2013
« voltar ao site