Como lidar com a birra

Nos primeiros meses de vida, a criança é totalmente dependente e, por isso, se torna mais fácil estabelecer regras. Hora de se alimentar, hora do banho, hora de dormir, escolha de roupa... tudo é mais fácil. Quando começa a falar, seu filho também desenvolve seus gostos de preferências, e é aí que começa a birra.

Escolhendo a roupa

O seu pequeno também quer se sentir estiloso, por isso é importante deixar que ele participe da escolha do que vai vestir. Dê algumas opções para a criança e deixe que ela escolha qual gostou mais, assim ela desenvolve sua autonomia sem que você perca a autoridade.

Birra em locais públicos

Quando a criança começa a gritar e espernear no shopping, supermercado ou qualquer outro estabelecimento público, é desagradável tanto para quem vê quanto para os pais. É importante se mostrar firme nesse momento, pois tudo que seu filho quer é chamar a atenção. Vá para um local reservado e explique, de forma firme e acolhedora, que entende como ele se sente, mas que aquela atitude não irá resolver nada.

A hora da alimentação

É comum que depois do primeiro aninho a criança perca o interesse pela comida. Isso acontece porque seu filho está na fase de descoberta e a comida acaba saindo do campo de interesse. Por isso, certifique-se que os nutrientes estejam logo no início da refeição, pois cada colherada será valiosa. Você também pode ensinar os horários das refeições, fazendo a criança sentar à mesa mesmo que não queira comer, assim ela acostumará que existem horários para comer.

Guerra no banho

É comum que a criança esteja fazendo algo divertido, por isso faz birra na hora de interromper a brincadeira para entrar no banho. Por isso, tente transformar a hora do banho em algo divertido, usando brinquedos e fazendo brincadeiras com seu filho. Assim, ele irá relacionar a hora do banho como algo agradável e prazeroso.

Fonte: Jornal Correio da Cidade



Postado em 28/10/2016 às 09:10:55

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

Cuide da visão do seu filho

Durante a gravidez

Tenha uma alimentação rica em ácido fólico, que está presente em grãos como feijão e lentilha, e vitaminas do complexo B, que podem ser encontradas no espinafre e em cereais. Esse tipo de alimentação é essencial para a formação do sistema nervoso do bebê, do qual os olhos fazem parte. O pré-natal também é fundamental, pois no exame podem ser detectadas doenças graves como catarata

Cuidados com o recém-nascido

Quando nasce, o bebê recebe um colírio de nitrato de prata, com o objetivo de eliminar qualquer agente infeccioso que possa ter ficado do canal do parto. No Brasil, a aplicação é obrigatória por lei e deve ser feita em todas as maternidades após o parto cesárea ou normal. Outra forma de prevenção é o teste do olhinho, realizado assim que o bebê nasce. E, caso o bebê seja prematuro, sua visão merece ainda mais atenção. A retina, responsável por receber a luz, transformá-la em impulso nervoso e transmiti-la ao cérebro, só se forma completamente por volta de 38 semanas de gestação.

Fique atento aos sinais

Mesmo enxergando tudo embaçado quando nasce, o bebê deve responder a alguns estímulos visuais, como fechar o olho quando é exposto a uma luz intensa. A partir dos dois meses, o bebê já se interessa por luz e já fixa o olhar no rosto dos adultos. Se isso não estiver acontecendo, é hora dos pais suspeitarem de algo. Observe também se ele apresenta movimento de tremor constante nos olhos, chamado de nistagmo, ou desalinhamento, conhecido como estrabismo. Essas alterações são sinais de alerta. Fique de olho também nas fotografias. Se você perceber que um dos olhos do bebê sair vermelho e o outro branco, em uma foto com flash, leve-o ao oftalmologista, pois isso pode ser sinal de catarata ou problemas mais raros.

Olhos protegidos

Os óculos escuros dão um charme todo especial mas, muito além da beleza, eles são importantes para proteger os olhos do sol. Assim como os adultos, as crianças também estão expostas à radiação ultravioleta. Essa exposição pode envelhecer de forma precoce as estruturas oculares, como córnea, cristalino e retina, levando à perda da qualidade da visão. Os óculos podem ser usados a partir dos três anos e devem conter a proteção contra raios UVA e UVB

Fonte: Revista Crescer



Postado em 21/10/2016 às 16:16:15

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

Como fazer seu filho dormir na própria cama

Enquanto mama, voltando pra casa de carro ou passeando no parque, parece que seu bebê tem um sono eterno, pois quando percebe, ele já está cochilando. Mas é só ficar no berço ou na cama que parece que esse sono todo vai embora. Acredite, muitos pais têm dificuldade para fazer com que os pequenos durmam no próprio quarto.

Segundo a psicóloga Renata Soifer Kraiser, todos nós temos fases de sono mais profundo e sono mais leve, onde todos nós acordamos. No caso de adultos, as vezes não lembramos de termos acordado durante a noite ou simplesmente sabemos que é só voltar a dormir. No entanto, com as crianças não acontece dessa forma, pois se acordam e veem um cenário diferente do qual estavam antes de adormecer, podem se assustar. Por isso, o ideal é que o sono aconteça desde o início no local onde a criança deverá passar a noite toda.

Quanto antes uma rotina de sono for colocada ao bebê, melhor. De acordo com a neuropediatra Márcia Pradella-Hallinan, o ideal é que essa rotina inicie por volta dos quatro meses de idade, quando a criança começa a conseguir pegar coisas com as mãos e os pais podem introduzir objetos quando o bebê estiver pegando no sono, como uma fralda, cobertor ou naninha. O movimento repetido com as mãos vai ajudá-lo a adormecer. É importante também colocá-lo no berço ainda acordado, para que ele perceba onde está. Assim, se sentirá mais seguro quando acordar.

Fonte: Revista Crescer



Postado em 14/10/2016 às 09:11:24

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar

A delicada fase do puerpério

O pós-parto, conhecido como puerpério, pode ser uma fase muito delicada para a mulher, principalmente porque seus hormônios estão oscilando o tempo todo. "O puerpério compreende o período de 6 a 8 semanas pós-parto, nas quais a mulher se recupera, se adapta psicologicamente à nova rotina, começa a amamentar e estabelece a relação mãe-filho", explicou a ginecologista, Paula Fettback.

O puerpério possui três subfases: imediato, tardio e remoto. O imediato corresponde ao período entre o 1º e 10º dia após o parto. Nessa fase, o corpo se esforçará para fazer o organismo voltar a funcionar de forma normal. O tardio vai do 11º ao 25º dia, quando acontece a recuperação dos órgãos e genitálias da mãe. E do 25º ao 40º dia acontece o puerpério remoto, quando a mulher volta a ter sua função reprodutiva.

Além da parte física, o lado emocional da mulher também fica bastante sensível, pois ela precisa lidar com a insegurança de ter que cuidar do bebê recém-nascido e das mudanças que essa nova fase trará pra sua vida. Por isso, é importante que nessa fase do pós-parto a mulher tenha o apoio do obstetra, pediatra e, principalmente, da família.

Fonte: Vila Mulher




Postado em 07/10/2016 às 16:06:33

Comentários

  • Nenhum comentario enviado ainda, seja o primeiro a comentar...
Comentar
 1 




Kiko e Kika       |       © Copyright 2013
« voltar ao site